quinta-feira, setembro 22, 2016

A república que as pariu!

Semearam cravos, estavam à espera de quê?! De rosas?! O problema republicano é mesmo esse, um sonho infantil que acaba sempre na mão dos bandidos. O resto do filme também é conhecido, o idiota útil que alisou o caminho, que abriu a porta para o assalto, acaba a escrever memórias contra tudo aquilo em que acreditou. Pois bem, o que é que temos agora?! Onde é que estamos?! Qual é a idiotice em voga?! Que tipo de vigarice se prepara?!

Em síntese podemos dizer que a esquerda caviar, comandada pelas meninas do bloco, tomou o poder nos media! Resolutas, banqueiras apaixonadas, caçadoras de fortunas, as ditas meninas estão a viver um sonho de Hollywood! Cada disparate, cada melro! Só lhes falta um Óscar!
Quando a brincadeira terminar, quando a realidade bater à porta dos portugueses, então talvez tenhamos novidades. Entretanto o melhor é aproveitar o recreio.

Uma nota final para recordar que as repúblicas se sucedem umas às outras culpando-se mutuamente nessa sucessão. Só que chega uma altura em que já não há nada para suceder. Aproximamo-nos desse ponto.



Saudações monárquicas

quarta-feira, setembro 21, 2016

Inquérito de satisfação!

Estava eu numas curtíssimas férias e toca o telefone, do outro lado da linha uma menina, funcionária do Novo Banco, queria pedir-me alguns minutos do meu tempo para responder a um inquérito sobre o grau de satisfação em que este novo banco me trazia. Fosse por estar a ler uma notícia que dava conta de um almoço (ou jantar) de 'deputados do Benfica' com o seu grande líder, Luís Filipe Vieira, ou fosse por ter acordado mal disposto, o certo é que respondi que não, que não estava satisfeito com o Novo Banco enquanto este mantivesse créditos da ordem das muitas centenas de milhões de contos sobre o Benfica. Créditos por natureza incobráveis. Despedi-me rápidamente e o inquérito estava terminado. Os amigos riem-se deste meu feitio impertinente, condenado ao dissabor, mas eu não me ralo. E já agora, esquecendo por momentos a dívida do Benfica ao Novo Banco, o que dizer dos ´deputados do Benfica' e das suas confraternizações?! Onde decorreu o encontro não sei, que propostas de lei se discutiram, também não, nem isso é importante porque foram concerteza a bem da nação! Já agora fico com curiosidade em saber se também há 'deputados do Sporting' do 'Futebol Clube do Porto' onde se reúnem e qual o respectivo calendário político. Sim, porque o calendário só pode ser político uma vez que o outro, o dos jogos, já é conhecido. 
Enfim, siga a "pequena união soviética lusitana"!


Saudações monárquicas

quarta-feira, setembro 07, 2016

Estrada de palha…

Fogo insidioso, que queima a terra abandonada, que alimenta um regime, uma nomenclatura, só pode ser fogo posto e bem pago. Trata-se de mais um filme português, igual aos outros, que não se liberta de si próprio. Provávelmente ninguém quer que isso aconteça. Espécie de western, passado no Alentejo, algures no princípio do século passado, e podia ser um filme interessante caso o autor conseguisse situar-se em terreno neutro, distanciar-se, contar apenas uma história evitando os lugares comuns da propaganda republicana! Impossível. E desliguei quando um dos personagens, carbonário pela certa, herói portanto, soltou esta pérola da sua boca suja e terrorista – ‘se calhar temos que fazer a este (referia-se ao rei Dom Manuel II) o mesmo que fizemos ao pai e ao irmão’! Ora aqui está uma bela mensagem transmitida pelo canal dois da televisão pública! Pode julgar-se um filme por uma frase?! Pode. Pode julgar-se um canal televisivo pelos produtos que transmite?! Pode e deve.


Saudações monárquicas



Nota: Conseguir pôr na conta da monarquia e do último rei (reinou apenas dois anos) o crime (que vitimou o irmão), os roubos (das ovelhas) e a desordem instigada pela maçonaria e praticada pela carbonária, é de facto um exercício de propaganda miserável e que não devia passar na televisão. Ainda por cima na televisão pública! Sobre a propaganda regicida, isso não tem classificação possível a não ser o ditado popular - 'diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és!

sexta-feira, setembro 02, 2016

Dizer mal da pátria – pátria com letra pequena!

País tão mentiroso não deve haver, corrupto como poucos, onde a corrupção continua a ser bem vista, uma esperteza onde os parvos são os outros, país que já não é país, nem comunidade, que só se reencontra para receber medalhas! No caso as medalhas do futebol. Percebe-se assim que o poder político queira prolongar esse momento de êxtase para lá do razoável. Percebe-se mas não se aceita. Depois temos essa herança execrável do estado novo chamada nacional-benfiquismo! Uma clubite desgraçada, super infantil, sempre a pender para o mesmo lado, envolvendo o poder político de uma maneira insuportável! Tenho denunciado isto junto dos poucos leitores que me aturam e também sei que por isso terei sempre poucos leitores. Não se trata de falta de humildade, mas de reconhecer que não posso competir com a ração distribuída diáriamente pelos media, alimento devidamente seleccionado, com proteínas que aumentam consideravelmente o risco da estupidez! Vejo deputados, economistas de calibre, advogados em série, até jovens em princípio de carreira, e basta abrirem a boca, para se notar, em todos eles, qual a ração que consomem! E que lhes consome o cérebro!

A mentira do dia, porque há sempre uma mentira do dia, são afinal duas mentiras. Ambas têm o futebol como pretexto e são ambas uma razoável radiografia do paciente português. A primeira tenta provar que o Benfica suplantou a concorrência e fez um grande negócio ao comprar o Rafa! Para provar tal mentira já existe um piquete de comentadores para nos zurzir os ouvidos todos os dias. E já ficámos a saber que o Rafa é benfiquista desde pequenino mas nunca ficaremos a saber quem avançou com o dinheiro ou para onde ele foi. Isto devia preocupar as autoridades mas não preocupa.

A segunda mentira tem a ver com a abortada transferência do Adrien para um clube inglês. Aqui, por trás de uma tentativa para tramar o Sporting, a república revela-se em todo o seu esplendor! Desde o ‘não me cortem as pernas’ até à assunção de que Portugal não tem futuro, tudo se disse (sem ninguém o dizer) e a conclusão mais que óbvia, mas que os mentirosos não conseguem admitir, é que as repúblicas são elas próprias fábricas de emigrantes ou de ex-futuros refugiados! Das monarquias não se emigra nem se foge. Pelo contrário, é para lá que os republicanos querem emigrar!



Saudações monárquicas

quarta-feira, agosto 31, 2016

Portugal em camisa!

Acabou a crónica de costumes, a ironia é impossível quando o espírito está hipotecado aos mesmos interesses, aos mesmos clichés! Na união soviética o humor não tinha graça e quem se ria não tinha sentido de humor! As revistas do Parque Mayer acabaram porque deixaram de ter graça e não há volta a dar: - o humor ou é universal (e troça de si próprio) ou não é humor! As gargalhadas alvares que se ouvem em ruído de fundo são apenas isso: - alvares! Para quem se tenha esquecido, alvar vem de burro!
Mas insisto, que bela crónica daria, por exemplo, este frenesim nacional das compras e vendas de jogadores ao minuto, até ao último minuto! Uma espécie de leilão dos tesos na feira de Carcavelos! Sem ofensa à feira e a Carcavelos.

O episódio Rafa, esse então é demais! É uma história circense, mete animais e palhaços! Podia começar assim: - A águia, que faz agora de palhaço rico, quis humilhar o dragão decadente e vá de arrematar o Rafa, sem precisar do Rafa para nada! Entretanto, o velho dragão, que faz agora de palhaço pobre mas que ainda sabe fazer das suas, terá armadilhado o negócio com um palhaço aprendiz lá do norte! E a verdade é que o negócio ficou encalacrado! Entretanto, entraram em cena os leões e gerou-se o natural pânico! Os miúdos agitam-se e com eles uns quantos palhaços que fazem de jornalistas! Mas como são palhaços e não jornalistas, puxam a brasa à sua sardinha de modo a salvar a face do palhaço que faz agora de rico! Como é que vai acabar esta história?! Deve acabar mal. Faltam umas horas e já saberemos.



Saudações monárquicas

segunda-feira, agosto 29, 2016

Rendas congeladas!!!

Então foi para isto que fizeram o 25 de Abril?! Se era para continuar com a receita dos ‘coitadinhos’ dos inquilinos e dos ´malandros’, ‘sanguessugas’ (etc.) dos senhorios, não valia a pena fazerem nenhuma revolução! A evolução na continuidade que o padrinho Marcelo propunha era mais que suficiente!
Li só o cabeçalho dos jornais, nem vale a pena ler o resto, cabeçalhos que diferem apenas na vaselina com que querem enfiar o barrete aos portugueses! Aliás a notícia é ela própria a certidão de óbito do mercado de arrendamento. E ao mesmo tempo o pretexto para todas as rendas especulativas! Que neste contexto até são compreensíveis. Os novos não se lembram disto, mas quarenta anos depois repete-se a fraude: - quem investiu de boa-fé na habitação vai envelhecer com rendas congeladas, e em termos relativos, cada vez mais miseráveis! Por seu turno os inquilinos que são em maior número e por isso dão mais votos (haja ou não eleições) verão os seus rendimentos actualizados, nomeadamente na função pública, nomeadamente antes de cada acto eleitoral!

Nada disto é surpresa, estava escrito nas estrelas, e há-de haver um milhar de justificações para tal medida – a crise permanente, as falcatruas nos bancos, na caixa geral de depósitos, que não se podem averiguar, os enriquecimentos ilícitos, a pouca vergonha da partidocracia, em resumo a velha e relha república maçónica que temos que sustentar, barriga de aluguer que vai parindo o seu aborto de quarenta em quarenta anos! Depois disto vou já investir na habitação, é só ter um dinheirinho de parte! Ou talvez não! Se calhar é mais seguro investir na Santa Casa… das raspadinhas!



Saudações monárquicas

terça-feira, agosto 23, 2016

Mudar de página

Um calor tórrido, impróprio, e mesmo assim vamos celebrando os anos que passam, com artrites a fustigarem os músculos outrora cheios de energia! É a vida e só podemos agradecer e continuar. 

Saudações monárquicas