quarta-feira, junho 26, 2019

A cleptocracia e a corrupção!


Começam pela mesma letra e são sócias (com lugar cativo) na república portuguesa. Não sou eu que o digo mas sim a voz autorizada de um dos autores do 25 de Abril – General Ramalho Eanes.

A forma como aquelas duas sócias actuam é um clássico da política republicana: - uma faz a colecta dos impostos, com a ferocidade que conhecemos, e a outra gasta o produto da colecta. Gasta com os amigos, gasta com as clientelas que garantem o voto e o poleiro, e o remanescente vai para offshore. Tudo isto à grande, à vista desarmada, com a complacência da justiça e do resto.

Não admira pois que a sociedade, com estes exemplos, adopte um comportamento infantil e ausente. Avessa ao investimento no futuro limita-se a reivindicar o subsídio presente.

Mudar de regime é urgente.


Saudações monárquicas

segunda-feira, junho 24, 2019

São João em Almada!



A coragem de feição
Fui do Porto até Almada
Onde vou vai São João
Até logo madrugada!


quinta-feira, junho 20, 2019

Corpo de Deus - o feriado e a memória


Celebração do mistério da Eucaristia, festa antiquíssima que mobilizava o país católico, com vilas e aldeias atapetadas de flores, procissões, tudo isso se perdeu ou vai perdendo. A cultura da cidade tem outros parâmetros. Verdade se diga que o facto de se tratar de um feriado volante (quinta-feira seguinte ao Domingo de Pentecostes) também não ajuda. Hoje, tudo o que não seja hoje, tudo o que não seja óbvio, localizável, repetido na TV, não existe nem interessa. E quanto à memória, não há gigas que salvem a ignorância militante. Não me ponho de parte, sofro do mesmo mal, e não fora a coincidência de ser os anos do meu pai, que Deus tem, se calhar nem escrevia estas linhas.

segunda-feira, junho 10, 2019

Dez de Junho 2019


República órfã, povo alienado, sem futuro, mata o tempo com bola e com Ronaldo! Não tem mais nada. É verdade que a selecção é competente, com o pormenor de ser à base de emigrantes, mas também é verdade que face ao investimento - não se fala nem se faz outra coisa - o mínimo era sermos campeões do universo todos os anos. Portanto aqui estamos nós no palanque do dez de Junho com o professor Marcelo, espécie de pílula optimista, a repetir que somos os maiores do mundo. Os portugueses que o ouvem, agitam as bandeirinhas mas no fundo não acreditam. Se acreditassem não consumiam tanto futebol, nem com esta intensidade. Dizia-se que na segunda república era o ópio do povo. Pois agora é uma overdose!
Em aberto, nesta cerimónia sem enigmas, fica apenas o enigma das medalhas! Cuidado, muito cuidado.


Saudações monárquicas

quarta-feira, maio 29, 2019

Farto de confisco!


Os meus conterrâneos parece que ainda não se fartaram das bojardas do Costa nem da dentuça do Centeno! Enganados pela geringonça, enganados com o défice, com o serviço nacional de saúde, com a Europa que nos querem impingir, enganados com tudo, continuam a votar no engano! Há quem goste de ser enganado e na tradição portuguesa o vocábulo era dúbio quando se dizia que uma jovem tinha sido 'enganada' pelo maroto do namorado. Mas tirando este sentido, que sentido faz vir agora o governo dar um ralhete no fisco por este andar a fazer cobranças nas rotundas aos automobilistas incautos?!

Traduzindo por miúdos : - se ainda é o Centeno e o Costa que mandam no fisco quem mais terá dado instruções para, em conjunto com a guarda republicana, fazer este lindo serviço?! Vir depois condenar o evento só pode ser manobra de propaganda encomendada! Que este governo é capaz de tudo já o provou diversas vezes. Pena que os meus conterrâneos ainda não tenham dado por isso.

Saudações monárquicas

segunda-feira, maio 27, 2019

Este país não precisa de eleições


A república portuguesa afirme-se ou não democrática não precisa de eleições. Esta é a grande conclusão que se pode tirar da greve às urnas que ocorreu nestas eleições europeias. Batemos o nosso próprio record e mostrámos à Europa, onde na generalidade dos países a abstenção diminuiu, que realmente e ao contrário do que imaginam os nossos políticos, somos muito pouco europeus, para não dizer que não temos nada a ver com aquilo. Dali apenas esperamos que nada mude para continuarmos a viver da generosidade alheia* sem ter necessidade de fazer quaisquer reformas quer no regime quer nas nossas vidas. É talvez por isso que ficamos tão aflitos com qualquer fenómeno que possa alterar este estado de coisas, seja o Brexit, seja o inevitável avanço das forças que se opõem a esta união europeia. Que para as nossas 'elites' deveria ser eterna! E podem contar connosco porque em Portugal nada muda. Ou então muda tudo para ficar tudo na mesma. É por aqui que devemos também interpretar o desinteresse dos eleitores, o fecho do regime sobre si mesmo, a ausência de oposição, e infelizmente a nossa ausência nas mudanças que estão a acontecer na Europa. Ausência sem alternativa e que pagaremos muito caro no futuro.

Saudações monárquicas

*José Sócrates, em certo sentido, representa o actual espírito nacional. 

sexta-feira, maio 24, 2019

Costa europeu!


É uma das novidades dos últimos discursos de campanha - Costa é europeu! E angustiado com a enorme abstenção que costuma ocorrer nas 'europeias' incita os jovens que 'já nasceram europeus' a irem votar para depois não acontecer nenhuma surpresa desagradável! Como por exemplo, deixarem de ser europeus! Na sua ideia, Costa pensa que a maioria dos abstencionistas são europeus ferrenhos e que pelo contrário aqueles que costumam votar são todos eurocépticos! E também pensa que os oito séculos de história que vivemos fora da 'união europeia' não serviram para nada! A não ser para o trazer de Goa até Lisboa! Mas eu percebo onde ele quer chegar. Ele e tantos outros burocratas que temos produzido. Querem chegar aos tachos doirados que a 'união europeia' oferece aos países periféricos para os calar. Periféricos nesta união, entenda-se. Está bem Costa, segue lá o teu caminho, afinal até já és amigo do Macron, um liberal que sonha com o Napoleão todas as noites. Pudera...


Saudações monárquicas